apa2019/ Outubro 29, 2018

P048
Português / Portuguese (PT): Cidades que falam português: o desafio da etnografia
Inglês / English (EN): Portuguese speaking cities : the challenge of ethnography

Coordenador / Coordinator:
Graça ÍNDIAS CORDEIRO
Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)
graca.cordeiro@iscte-iul.pt

Co-coordenador / Co-coordinator (se aplicável, não obrigatório / if applicable, not mandatory):
Heitor FRÚGOLI JR.
Universidade de São Paulo (USP)
hfrugoli@uol.com.br

Debatedor / Discussant (se aplicável, não obrigatório / if applicable, not mandatory):
Heitor Heitor Frúgoli Jr. (Universidade de São Paulo – USP). E-mail: hfrugoli@uol.com.br; Graça Índias Cordeiro (Instituto Universitário de Lisboa – ISCTE-IUL). E-mail: graca.cordeiro@iscte-iul.pt

Língua principal / Main language: Português / Portuguese (PT)
Língua complementar / Complementary language: Inglês / English (EN)
Língua de trabalho preferencial (não exclusiva) / Prefered working language (not exclusive): Português / Portuguese (PT)


Detalhes do painel na língua principal / Panel details in main language

Título / Title
Cidades que falam português: o desafio da etnografia

Resumo curto / Short abstract
Problematizar a condição da vida humana num mundo cada vez mais urbanizado, através do olhar próximo da etnografia, tem mobilizado a antropologia urbana ao longo das últimas décadas. Aceitam-se comunicações que desenvolvam uma reflexão crítica, livre e pessoal, sobre o futuro da antropologia urbana em língua portuguesa, internamente como internacionalmente.

Resumo longo / Long abstract
Dez anos após o painel “A cidade e o urbano em questão” (IV Congresso APA), retomamos a discussão sobre o desafio que as cidades lançam à reflexão antropológica e, reciprocamente, como a pesquisa etnográfica desafia a área multidisciplinar designada como estudos urbanos. Problematizar a condição da vida humana num mundo cada vez mais urbanizado, através do olhar próximo da etnografia, tem mobilizado antropólogos(as) que se reconhecem num campo de reflexão sobre a vida urbana no âmbito da “antropologia urbana”. Com uma tradição fortemente anglo-saxónica, tal como os “estudos urbanos”, esta antropologia tem-se desenvolvido de forma particularmente pujante em língua portuguesa, uma língua pluricêntrica caracterizada pela sua diversidade. Este facto, por si só, levanta um conjunto de problemas não apenas de tradução conceptual e metodológica, como também de modelos de análise, de estratégias narrativas, de jogos de escala que constituem o próprio facto urbano, de formas de comparar, de integração teórica, de internacionalização, entre outras. São bem-vindas comunicações que, a partir de pesquisas concretas, desenvolvam uma reflexão crítica, livre e pessoal, sobre o papel que a antropologia urbana em língua portuguesa desempenha, tanto ao nível da sua comunicação e impacto “interno” como ao nível do impacto “externo” hegemonicamente em inglês.


Detalhes do painel na língua complementar / Panel details in complementary language

Título / Title
Portuguese speaking cities : the challenge of ethnography

Resumo curto / Short abstract
To problematize the human life condition in an increasingly urbanized world through the close look of ethnography has mobilized urban anthropology over the last decades. We accept communications that develop a critical, free and personal reflection on the future of urban anthropology in Portuguese language, internally and internationally.

Resumo longo / Long abstract
Ten years after the panel “City and the urban question” (IV APA Congress), we return to the discussion about the way how cities challenge anthropological reflection and, conversely, how ethnographic research challenges the multidisciplinary area called urban studies. To problematize the condition of human life in an increasingly urbanized world, through the close look of ethnography, has mobilized anthropologists who recognize themselves in an academic field of reflection on urban life within the so called “urban anthropology”. With a strongly Anglo-Saxon tradition, such as the “urban studies”, the urban anthropology has been powerfully developed in Portuguese language, a pluricentric language characterized by its diversity. It raises a set of problems not only of conceptual and methodological translation, but also of ways of thinking, models, narratives, scaling, comparison, theoretical integration, among others. We welcome communications, based on empirical research, which develop a critical, free and personal reflection on the role that urban anthropology in Portuguese plays, in terms of its internal communication as well through its impact on the English hegemonic external scientific community